Ibop Aponta Que Metade Dos Brasileiros Aprova A Forma De Governar De Bolsonaro

Pesquisa encomendada pela CNI mostra que o presidente tem o maior índice de aprovação pelo governo desde o início de seu mandato

Pesquisa encomendada ao Ibope pela Federação Nacional da Indústria (CNI) mostrou que o presidente do governo Jair Bolsonaro (sem partido) tem 50% de aprovação da população brasileira (24).

O resultado é um aumento de 9 pontos percentuais em relação aos 41% alcançados em dezembro de 2019, data da última pesquisa. A taxa de reprovação é de 45% e 5% das pessoas não sabem ou não respondem.

Ibop Aponta Que Metade Dos Brasileiros Aprova A Forma De Governar De Bolsonaro

40% dos brasileiros classificaram o governo como ótimo ou bom, maior percentual desde o início do mandato. Aqueles que consideraram regular passaram de 31% para 29%. O declínio de pessoas que classificaram como ruim ou péssimo despencou de 38% para 29%.

O índice de apoiadores aumentou de 41% em dezembro de 2019 para 46% em setembro de 2020. Esse percentual é inferior ao calculado pelo governo no início de abril de 2019: 51%. Enquanto 46% das pessoas que não confiam e 3% das entrevistados não responderam.

A pesquisa entrevistou 2.000 pessoas em 127 cidades brasileiras entre 17 e 20 de setembro. A margem de erro estimada é 2 pontos percentuais maior ou menor. O nível de confiança usado é de 95%.


Por área de avaliação

O departamento governamental com a pontuação mais alta é o departamento de segurança pública. Em comparação com dezembro de 2019, a aprovação da política de combate aumentou

A fome e a pobreza aumentaram de 40% para 48%. Com isso, a região passou da sexta para a segunda posição no ranking.

A área da saúde também é uma das áreas que melhorou na avaliação.

Na comparação com dezembro de 2019, o índice de aprovação passou de 36% para 43%, e a região passou de sétimo para quarto.

Ibop Aponta Que Metade Dos Brasileiros Aprova A Forma De Governar De Bolsonaro

A aprovação e desaprovação contra as áreas de desocupação caíram da terceira para a sétima e, pior, de 41% para 37%.