O-emprego-da-felicidade-como-e-o-futuro-profissional

A participação na liderança, medindo a satisfação dos funcionários e tomando medidas são as qualidades dos profissionais que ganharam mais poder na pandemia.

Você está insatisfeito com seu trabalho? Se sua resposta for "sim", saiba que há uma novidade, que muitos consideram os "profissionais do futuro", nasceu para mudar esse sentimento que atinge milhões de pessoas no Brasil e no mundo.

O Chief Happiness Officer (CHO) ou o responsável pela felicidade em português é responsável pela felicidade dos colaboradores da empresa. Renata Rivetti, diretora da Reconnect, consultoria voltada para o tema, explica que o profissional não será necessariamente contratado e os funcionários não assumirão novos cargos, "mas cargos que podem ser exercidos e ocupados por uma ou mais pessoas da empresa”.

Ele explicou: “CEO, diretor, gerente, coordenador de equipe... essa pessoa também pode trabalhar em áreas como recursos humanos, marca do empregador e marketing. ''

Segundo Renata, as características de um chefe feliz incluem medição, pesquisa, satisfação do funcionário e capacidade de liderança. Ele acrescentou: “Além de planejar e implementar novas ações que deixem os colaboradores mais felizes”.

O-emprego-da-felicidade-como-e-o-futuro-profissional

Mas, na prática, por que precisamos de um líder feliz? Para os especialistas, os benefícios excedem a felicidade do funcionário: eles afetam diretamente o desempenho financeiro da empresa.

Ele explicou: “Funcionários felizes produzem mais coisas, são mais criativos, têm menor absenteísmo, maior lealdade, fazem propaganda da empresa, têm melhores relacionamentos e, assim, apresentam melhor desempenho financeiro. Pelo contrário, funcionários insatisfeitos e insatisfeitos são o oposto. "

Uma pesquisa realizada pela Harvard Business Review confirmou as palavras de Renata e apontou que funcionários insatisfeitos reduziram a produtividade em 18% e os lucros em 16%, resultando em um aumento de 37% no absenteísmo e ainda 49% dos acidentes ocorreram no ambiente de trabalho. “Mas vale lembrar que a felicidade no trabalho também depende de nossos relacionamentos interpessoais e de nossas realizações pessoais”, enfatizou o executivo da Reconnect.

Medidas práticas

Renata explica que o primeiro passo é medir sempre a felicidade dos colaboradores e determinar as áreas em que a empresa precisa realizar ações específicas - emoções positivas, relacionamento / liderança, engajamento ou racionalidade / propósito / pertencimento. Isso mostra que o chefe da felicidade está diagnosticando a ação da linha de frente mais preocupante.

“Por exemplo, podemos realizar ações chamadas de 'compensação', que é um conjunto de compensações não financeiras que estimula emoções positivas e aumenta o vínculo afetivo entre os colaboradores e a empresa, aumentando assim a motivação, a produtividade e o desempenho”, afirmou. Horário mais flexível, plano de tratamento e comunicação com a liderança são citados como exemplos dessas ações.

Em situações mais complexas, o plano inclui uma revisão dos valores, cultura e propósito da empresa.

Carreira do futuro

Chefes felizes estão ganhando cada vez mais espaço, e a tendência é que essa onda se intensifique - principalmente durante o período do coronavírus. A pandemia tem causado insegurança e ansiedade entre muitos trabalhadores, o que faz com que os profissionais de recursos humanos pareçam estar mais preocupados com a saúde emocional e o bem-estar dos funcionários.

“Atualmente, as pessoas estão cada vez mais atentas às empresas que se preocupam com a sociedade. As empresas têm uma oportunidade única de mostrar que realmente se preocupam com seus funcionários. Isso é fundamental em situações incertas como a atual”.